segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Hora de Falar Tudo: Homenagem ao dia do professor!

O Hora De Falar tudo, presta uma mais  que justa homenagem ao dia do professor. E para homenagear esse profissional tão indispensável em nossas vidas, uma professora é nossa entrevistada. Márcia Oliveira da Silva, é um exemplo de profissional, por isso resolvi entrevista-la no intento de homenagear todos os nossos mestres, que no dia-a-dia nos ensinam mais do que apenas conceitos científicos, nos ensinam a viver. Parabéns professores!

Sobre o professor disse Jean Piaget: “O professor não é aquele que ensina, mas o que desperta no aluno a vontade de aprender”. 






















A professora Márcia Oliveira da Silva, é divorciada, tem 41 anos, e é mãe de uma "garota" de 22 anos formada em enfermagem e funcionária de um grande hospital, que ela mesma define como seu maior orgulho. Professora há 18 anos e há 07 na rede estadual de ensino se diz ainda apaixonada por sua profissão, mesmo reconhecendo a falta de reconhecimento dos governantes pelos profissionais mais importantes de uma nação. É graduada em Letras com licenciatura em Língua Inglesa pela FAMASUL – Palmares –PE, pós-graduada em Língua Portuguesa pela FAINTVISA – Vitória de Santo Antão – PE, onde participou da publicação do volume 2 do livro Elos Culturais e Educacionais com o artigo “O jornal e a prática pedagógica: mecanismos linguísticos e sociais”. Também cursou outras especialização na UFPE sobre Gêneros Textuais. Se define, como uma profissional responsável, comprometida e consciente do seu papel social e transformador, como também de todas as dificuldades que o profissional da educação enfrenta.

HDFT: Quando descobriu que queria ser professora? Existiu alguém que lhe inspirou?

Márcia Oliveira: Na verdade, ser professora não fazia parte dos meus planos. Queria ser médica. Enquanto estava cursando a Faculdade, arrumei um emprego de secretária escolar. Meses depois estava eu assumindo uma sala de aula (4ª série) pela primeira vez, substituindo a professora titular que também era a dona da escola. Imaginem a insegurança! Inspiração não tive. Nem deu tempo! Apenas procurei continuar a trabalho da antiga professora, seguindo a mesma metodologia, que era “tradicionalíssima”. Quando assumi minhas próprias turmas, procurei fazer a diferença, ser eu mesma e defender aquilo que eu acredito. 

HDFT: Seu primeiro dia de aula no papel de professora como foi?

Márcia Oliveira: Um momento de muita insegurança , pois eu estava substituindo - apesar de ser por um curto período - uma excelente profissional. Mesmo depois de tantos anos de profissão, os primeiros dias de aula têm sido únicos para mim: as muitas expectativas em relação a turma e aos desafios que surgirão ao longo do ano letivo me deixam sempre ansiosa.

HDFT: Qual avaliação faz do ensino publico hoje?

Márcia Oliveira: É notório que algo mudou, mas não muito. Nossos alunos não aprendem o que realmente deveriam, não temos um índice aceitável de aprovação nas universidades federais e apresentamo-nos muito inferiores ao ensino particular. Infelizmente é nossa triste realidade.

HDFT: Construtivismo ou escola tradicional? Qual a melhor concepção pedagógica?

Márcia Oliveira: O construtivismo, claro. Ele propõe que o aluno participe ativamente do próprio aprendizado, mediante a  procedimentos.  Mas temos consciência que muitas escolas mesclam o tradicional com o construtivismo, dando ênfase a pedagogia tradicional.

HDFT: Alunos indisciplinados. Como lhe dar com eles?

Márcia Oliveira: Indisciplina: um grande problema de escolas públicas ou particulares. É vista até como a principal causa do fracasso escolar. Para lidar com situações de indisciplina, é preciso atuar na “causa”, e não nas consequências. Em alguns casos, o comportamento negativo e desregrado dos alunos é reflexo do convívio familiar. Conversando com a família fica mais fácil compreender o comportamento do aluno. Procurar aproximar-se dele, conversar, compreender a escola do ponto de vista desse aluno, talvez seja uma saída.

HDFT: Qual o maior desafio de um professor?

No geral, são inúmeros. Posso elencar alguns de forma gradativa: estar sempre estimulado à prática pedagógica apesar da desvalorização profissional e baixo salário; apresentar bons resultados numa sala de aula lotada e desconfortável; a falta de material didático; alunos desmotivados, indisciplinados e/ou descompromissados; ausência da família. Particularmente, vejo que o grande desafio do educador hoje está na confirmação de sua importância social como AGENTE DE TRANSFORMAÇÃO.

HDFT: Desde que começou a lecionar até hoje, algo mudou a respeito das impressões que tinha a respeito dessa profissão?

Márcia Oliveira: Com certeza. Já cheguei a pensar que uma educação de qualidade no Brasil, particularmente em Pernambuco seria algo utópico. Enquanto o professor continuar desvalorizado, pouquíssimas coisas irão mudar de formar significativa. Se a base é o professor – como diz a propaganda do Governo Federal – vamos cuidar melhor dessa base antes que ela não suporte mais.

HDFT: O que um professor espera receber de um aluno?

Márcia Oliveira: Nada! Apenas que ele assimile o que ouviu e aprendeu em sala, transfira esses conhecimentos para vida, construa seu futuro e seja uma pessoa realizada, tanto no âmbito pessoal como no profissional.

HDFT: Qual a melhor lembrança dos tempos de aluno?

Márcia Oliveira: Tenho boas lembranças, principalmente de duas professoras que marcaram minha vida: Dona Genésia (3ª série) e Dona Carminha (4ª série). Os professores das séries seguintes também foram marcantes, mas a infância... É uma fase mágica.

HDFT: O ensino de hoje busca além de formar leitores e escritores formar cidadãos. Como tem desenvolvido seu trabalho a esse respeito.

Márcia Oliveira: Sou professora de Língua Portuguesa e, por isso, as cobranças são maiores. Devido as diferentes demandas que hoje se apresentam, nós, professores, precisamos assumir um novo perfil como, ter boa formação, atualizar-se nas novas didáticas, usar as novas tecnologias a favor dos conteúdos, planejar e reorientar o trabalho, saber trabalhar em equipe (interdisciplinaridade), etc.

HDFT: Já teve algum problema com algum aluno? Como não tornar pessoal uma questão profissional.

Márcia Oliveira: Acho que uma ou duas vezes. Depois que os ânimos acalmaram eu procurei os envolvidos e, mesmo sendo a "vítima",  naquela situação ,pedi desculpas aparamos as arestas e seguimos nossas vidas.

HDFT: Ser professor é um fardo ou uma bênção?


Márcia Oliveira: Depende do ponto de vista. Se você faz o que realmente gosta e se realiza com isso, é uma bênção. Caso contrário...

HDFT: Em sua opinião o profissional da educação tem recebido o devido reconhecimento? O que seria esse reconhecimento?

Márcia Oliveira: De fato, não.! São muitas as angústias do educador. Segundo Piaget, “O professor não é aquele que ensina, mas o que desperta no aluno a vontade de aprender.” Mas como despertar no aluno a vontade de aprender se não estamos conseguindo deixar essa chama acessa em nós mesmos?

HDFT: Hoje em dia os alunos tem o direito de expor o que pensam, aliás, esse é um dos preceitos do novo modelo de ensino que está aos poucos sendo implantado no Brasil. Como lidar com isso?

Márcia Oliveira: Isso é excelente! A educação bancária acabou ( Graças a Deus!). Nossos alunos não são “cavalos de cabriolé” que só enxergam uma única direção, que são guiados e não autônomos. Precisamos de cidadãos críticos, formadores de opiniões.

HDFT: Você se considera um bom, médio ou ótimo profissional?

Márcia Oliveira: Eu me empenho ao máximo, troco experiências, escuto as sugestões e aceitos às críticas, reoriento meu trabalho quando percebo que não estar dando os resultados almejados. Quanto à minha avaliação, deixo que os outros a façam.

HDFT: Já houve algum caso de violência em sala ou contra sua pessoa? Como lidou com o fato?

Márcia Oliveira: Violência, não! O meu relacionamento com meus alunos é, até o momento e graças a Deus, o melhor possível. Espero nunca passar por isso. Deve ser um desgosto muito grande para o profissional. Essa pergunta fez-me lembrar do caso da escola de Realengo – RJ e de outros tantos exibidos na mídia.

HDFT: Aluno é amigo, ou não se mistura profissionalismo com vida social?

Márcia Oliveira: Procuro ser, antes de tudo, amiga dos meus alunos, me aproximar deles, conversar, entendê-los, ajudá-los (se for o caso). Por que não ter vínculos afetivos? Contanto que haja respeito... Um amigo será sempre um aliado.

HDFT: Um recado para seus alunos e futuros professores!

Márcia Oliveira: Não desanimem diante dos obstáculos que a vida profissional lhes apresentar. Ergam a cabeça, sigam em frente. Se for o caso, repensem suas práticas; tirem lições dos erros. Acredito no potencial de cada um. Como já dito, a docência não é uma capacidade inata, vocês irão aperfeiçoá-la, aprimorá-la ao longo do exercício do magistério. SUCESSO!!!!!

Essas entrevistas são uma forma de parabenizar todos os professores e professoras da Escola Estadual Nossa Senhora da Penha. Os alunos do 3º B, Normal Médio Noite, Maria Gonçalves, Erlange Maria, Bruna França, Maria de Fátima, Cristine, Zélia, Glaucione, Marileide, Josiane Batista, Marcos, Ozimário, Jadeilson e José Arruda, parabenizam a todos pelo seu dia!

Agradecimento especial a professora entrevistada e as professoras Joelma e Elisângela da Escola Municipal Amélia Monteiro, pela paciência conselhos e excelente recepção.  Sem esquecer de agradecer claro, a direção da mesma instituição de ensino pela extraordinária acolhida e aos alunos do 5º ano. Obrigado! Que Deus em nome de Jesus cubra a todos e todas de bençãos!























Marina Silva e Eduardo Campos: Uma forte parceria contra o PT


Como nós já sabemos, a criação do novo partido da ex ministra e senadora Marina Silva (Rede Sustentabilidade) não foi adiante. Tudo por que segundo o STE (Superior Tribunal Eleitoral), o partido em gestação não conseguiu o apoio popular necessário para ser criado. (faltaram quase 50 mil assinaturas). Com apenas 1 voto a favor e 5 votos contra o aborto foi inevitável! Marina ao invés de chorar as pitangas pela perda, logo filiou-se ao PSB e tornou ainda mais difícil uma provável reeleição da atual presidenta Dilma da Silva, quer dizer Rousseff. Para quem não lembra, na ultima corrida presidencial Marina Silva que na época era do PV (Partido Verde), conseguiu quase 20 milhões de votos, votação pra lá de expressiva tratando-se de um partido considerado pequeno. Naquele tempo foi um fato importante, mas nada que abalasse a certeza de vitória do PT (Partido dos Trabalhadores), que veio a triunfar na batalha pela terceira vez seguida. Mesmo indo para o segundo turno, Dilma com o apoio do Lulinha e muito Love, venceu, se emocionou, chorou e discursou de Brasília para o mundo, além de claro entrar para a história como a primeira mulher a ocupar o cargo administrativo mais alto da nação. Se foi difícil vencer antes, agora a coisa vai ficar ainda pior. É que Eduardo Campos, governador de Pernambuco pensa em conquistar a atual cadeira da sua ex-aliada Dilma, e agora ele conta com o apoio dos que apoiam Marina Silva. Isso significa que pelo menos quase 20.000.000 de votos já estão praticamente garantidos. Tudo por que tradicionalmente os votos evangélicos tendem a se manter no mesmo candidato. Vai caber ao pessoal do PSB, fazer uma boa apresentação do seu candidato, fazer boas alianças e provar que o povo pode confiar no seu aprovadíssimo pré-candidato ao emprego mais importante de todos do funcionalismo publico nacional. Para quase concluir! A cabeça do pessoal do Pt vai ferver, se eles não tiverem boas historias para contar poderão perder feio. Mas com certeza, até lá, muitas, novas e grandes boas ações virão de Brasília. Tudo para não deixar o povo esquecer quão bom é o Pt e que sem ele essa nação não vai sobreviver. Claro por que candidato que se preza deixa sempre as maiores obras para o último ano e as maiores benesses para dias antes da eleição afinal todo mundo sabe brasileiro tem memoria curta!

Para Concluir! Uma previsão! Você verá com certeza a reaparição do sumido e extremamente popular Luiz Inácio da Silva, nosso querido, saudoso e desaparecido ex-presidente da republica, chamado por Barack Obama de THE GUY (O cara). Lula é quase irresistível e durante seu governo popularizou o atual modelo de governo que rege nosso país. Funciona assim! Enriquece o rico, tira dos pobres, devolve um pouco e sai com fama de bonzinho. Não é incrível? Desse jeito o país "cresce", os ricos ficam ainda mais ricos e os pobres continuam pobres para garantir futuras reeleições. Distribuir renda não é o bastante, precisamos de escolas de qualidades, hospitais que tenham outros remédios além de dipirona, que a criminalidade seja vencida com oportunidades iguais e não apenas conversas fiadas, que o Brasil é um lugar perfeito.

Projeto de lei tentará criar o dia do blogueiro.



Atenção blogueiros do Brasil! Uma possível homenagem á todos nós, pode está a caminho. Pelo menos esse é o desejo dos deputados Marco Feliciano do PSC de São Paulo e do deputado André Moura do PSC - SE. Para justificar a criação da nova lei, que dá um dia ao blogueiro como seu, os deputados alegaram que esse é um meio reconhecer a importância desses escritores que "exercitam a verdadeira democracia". Se for aprovada a lei 6555/2013 tornará o dia 7 de junho o dia do blogueiro, dia, aliás, no qual se comemora o "Dia Nacional da Liberdade de imprensa". O projeto foi apresentado no último dia 10 de outubro e em alguns meses irá a debate em plenário. Agora é só esperar para saber o resultado, e saber se os deputados vão ou não homenagear os milhares de blogueiros do Brasil. Certamente esse blog, informará o resultado.


domingo, 6 de outubro de 2013

Katy Perry By the grace of God

 
Uma das novas músicas do novo cd da cantora Katy Perry, tem deixado os fãs confusos. Tudo por causa da temática que a música trás. "By the Grace of god" ( pela graça de Deus), tem feito os fãs da cantora cogitarem que isso poderia significar um possível retorno da cantora a sua vida anterior a fama, onde cantava música gospel. Nada disso! Segundo a própria cantora em declaração a revista Billbord, ela escreveu a música após o divorcio com o comediante Russel Brand, momento no qual chegou a pensar em suicídiu. Ainda segundo Katy, ela conseguiu se levantar pela graça de Deus. 

Para frisar, a música "By the grace of God" faz parte do novo cd da cantora "Prims" e será lançado em 22 desse mês. Todas as músicas são auto biográficas.

Curiosidade! Quase todos os grandes nomes do pop americano sairam de igrejas evangélicas. Entre as mais famosas estão. Witney Houstom, Mariah Crey, Beyonce, Avril Lavgne, Britney Spears...

Bla, bla, bla...




Ele é a professor (a), tem um bla bla bla fascinante. Mentira! É muito chato mesmo! Mas quem disse que ela sabe disso? Ela tem certeza que o seu bla bla bla é o melhor de todos os bla bla blas do mundo. Na sala é um espanto. Quanto bla bla bla! Bla bla bla aqui, bla bla bla ali, bla bla bla acolá. Já me cansei dos seus blas, eles não mexem comigo, não me inspiram, sei lá, acho que falta um blablazinho cientifico, ou apenas um bla bla bla com um pouquinho de amor. Talvez falte apenas ela dar ouvidos. Mas não posso reclamar! Sempre ouvi bla bla blas fantásticos, bla bla blas que fazem a gente sonhar, ser idealizador. Acho que no futuro vou estar numa sala bla bla blazeando para meus alunos. Espero que o meu bla bla bla seja mais consistente, que eu nunca me torne um chato que fica só no bla bla bla.


O termo bla,bla,bla, foi usado de maneira poética, não possuindo significação óbvia nem a intenção de ofender quem quer que seja. A proposta é gerar uma autoanálise, uma autocrítica, tendo em vista que essa é uma das competências necessárias aos profissionais de educação contemporâneos. Na realidade tudo é bla. Cabe a nós transformarmos o nosso bla, em algo contagiante e instigante a ponto de nos tornarmos mediadores de um conhecimento do qual apenas apresentamos caminhos para ser alcançado.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

O boato mais conviniente do mundo!




O tempo passou, mas eu não esqueci. Há alguns meses atrás explodiu um boato que o Bolsa Família seria cortado. Claro que foi uma grande mentira, mas a mentira não impediu que as agências da Caixa Econômica Federal e as Casas Lotéricas ficassem entupidas de pessoas desesperadas com medo de perder seus benefícios. A presidenta logo saiu ao ataque, e em defesa dos mais necessitados pôs a Polícia Federal para investigar de onde surgiram os boatos. Mas não se sabe por que a polícia mais poderosa do país não conseguiu descobrir nada. Parece muito conveniente, afinal de contas ano que vem tem eleição e nada melhor do que lembrar ao povo da importância do Bolsa Família. Não estou acusando, mas ao que parece esse foi mais um golpe de Market do que qual quer outra coisa. E claro, como nem a PF conseguiu descobrir os culpados nada mais pode ser feito a não ser lembrar do ocorrido e pensar...

Quando não se analisa...



 
Já ouvi muitas vezes a seguinte expressão: Quando Deus está em silêncio é por que está trabalhando. Normalmente pregadores usam esse jargão, como se fosse uma verdade bíblica, mas claro que se trata de um tremendo equivoco. A razão pela qual Deus fica em silêncio segundo aqueles que fazem uso dessa expressão é que não se fala e trabalha ao mesmo tempo, pois isso atrapalharia. Mas estamos falando de um Deus que é todo poderoso, ilimitado, ou seja, a afirmação não leva em consideração a natureza de Deus. Acreditar nisso é o mesmo que igualar Deus a um mero mortal.
Outra afirmação também muito comum é que a palavra de Deus é prego batido com ponta virada. Ao usar essa expressão a pessoa está afirmando que um prego batido jamais poderá ser removido. Claro que isso não é verdade, afinal quando se bate um prego numa tabua e vira a ponta não fica impossível remove-lo. Sendo assim essa é mais uma afirmação (jargônica) que nada tem de revelação e tudo tem de crendice. Quem repete essa frase certamente nunca parou para analisar o contexto ou no mínimo nunca bateu um prego numa tabua. Não existe nada com o que possamos comparar a palavra de Deus.

Doutrina Nova. O cadeado espiritual!




Portanto, irmãos, fiquem firmes e guardem aquelas verdades que ensinamos a vocês tanto nas nossas mensagens como na nossa carta. Tessalonicenses 2:14 (Bíblia sagrada na linguagem de hoje).

Hoje aprendi mais uma que vai para o hall das crendices evangélicas. "Cadeado espiritual" alguém aí já ouviu falar? Eu nem sabia que existia, mas existe, pelo menos na crendice popular cristã evangélica, e o pior é que algumas pessoas usam isso como se fosse um princípio espiritual. Na verdade isso tem mais cara de feitiçaria, quando é aceito de forma literal. É como alguém pregar sobre passar unção com os pés, não tem o menor fundamento bíblico. E se não tem origem na Bíblia logo deve ser desconsiderado e amaldiçoado. Para nós cristãos evangélicos um dos princípios que rege nossa fé é esse, (Sola scriptura), ou só a escritura. Baseando-se nessa norma que é uma das cinco solas da reforma protestante, que deu origem a fé que temos hoje. Nada deve ser aceito como regra de fé sem passar antes por uma avaliação da palavra. Quando então submetemos um credo à escritura e nada o condena, então admitimos que essa ou aquela lei veio de Deus. Antes não, antes nunca.

Explicação: Princípio espiritual. Norma ou lei estabelecida por Deus para agir mediante a fé Nele. Ex: Entregar o dízimo é uma lei, ou princípio, com base nela podemos afirmar que algo sobrenatural vindo de Deus se manifestará na vida daquele que segue essa lei.  Pois se trata de uma promessa feita pela própria lei. Se alguém afirmar algo diferente da lei ou princípio, é crendice sem base teológica, ou sem base na palavra. Isso significa que a fé de quem crer diferente daquilo que está escrito simplesmente é morta, pois não se baseia na revelação verdadeira que é a palavra de Deus. Vale ressaltar que Deus age sempre como lhe apraz, (como quer), no entanto, devemos sempre considerar sua palavra, pois para segui-la foi que Ele nos deu. 

O cadeado espiritual, não é de forma alguma uma revelação da palavra, logo não deve ser levada a sério. Vale salientar que fica expressamente claro o sentido da expressão, que significa que alguém vai orar por alguém, para que o mesmo fale menos, reclame menos ou simplesmente fique calado. Mas se isso é encarado como algo de Deus o engano está sendo alimentado. O ideal é que não repitamos esse tipo de expressão, pois se algo não é bom, com certeza não é neutro, é mal ou desencadeia no mínimo uma reação espiritual contraria. A fé verdadeira é aquela que está firmada na rocha, Jesus Cristo ou nos ensinamentos que Ele deu.